Poluição Visual - Agressão constante para os olhos

quarta-feira, 3 de setembro de 2008


As grandes cidades são um celeiro de propagandas. Por todo lado há outdoors, cartazes, banners e tudo o que convença as pessoas a comprar um produto qualquer. Obrigatoriamente quem transita nas ruas, olha para toda a parafernália, sem opção e direito de dizer “não quero ver esse outdoor, quero ver a paisagem que está atrás dele”.

Mas ao contrário do que colocam alguns, a poluição visual não deixa apenas as cidades feias, causam o estresse. Milhares de informações indesejadas são captadas pela mente sobrecarregando-a com inutilidades. Um outro ponto em meio a uma sociedade capitalista onde a miséria permeia, relaciona-se à imposição surda de ter isso ou aquilo que é propagandeado. Quem não tem condições financeiras, vê-se cercado de propagandas e sente-se frustrado ou mesmo deprimido.

Uma outra forma de poluir visualmente são as pichações. Sem nenhuma criatividade, grupos rabiscam muros com nomes, frases e palavras desconexas. É muito diferente do grafite, onde os desenhos muitas vezes são bonitos, bem elaborados e causam bem estar a quem vê. Ainda assim, em excesso ou mal distribuído, pode ser considerado poluidor do ambiente. Em Belo Horizonte, por exemplo, quem sai do centro para o Aeroporto de Pampulha, fica impressionado com a quantidade de pichações nas casas e prédios do caminho. E os causadores muitas vezes arriscam a própria vida para subir em locais inimagináveis e rabiscar uma parede, como se isso fosse uma forma de protesto, que seria muito melhor aceito e bem visto, se fosse feito com arte e organização.

Em Salvador, determinada época, as passarelas viviam cheias de faixas e banners. Além de haver possibilidade de uma cair sobre um carro que passasse embaixo, desviavam a atenção dos motoristas.

O lixo nas calçadas, além de causar vários males ao meio e doenças, pois atraem ratos e insetos, também poluem o visual da cidade. Para acabar com isso, é preciso haver coleta regular e campanhas educacionais que ensinem o cidadão a tratar o lixo doméstico.

Fios elétricos em excesso deixam as cidades feias. Quem viaja pode perceber que existem cidades onde a fiação não fica desorganizada e nem totalmente exposta. Em certos locais, também são um risco. É possível cobrar o ordenamento e a organização disso com as companhias elétricas. Aliás, nenhum cidadão deve fazer trabalhos elétricos sem ser técnico. Muitos que tentaram, não estão vivos para contar o resultado.

A propaganda política também polui. Muros pichados, colados de cartazes, enfeiam as cidades. Porém há um outro problema por trás disso. Os políticos que são “patrocinados” por grupos econômicos ou os representam, podem colocar sua propaganda em muitos outros locais. Os ricos, idem. Mas qual o espaço que sobra para aquele que não tem as mesmas condições financeiras? É necessário haver uma democratização dos meios de comunicação, a proibição maior desses patrocínios que só levam o candidato quando eleito a criar leis e votar em propostas que favoreçam o empresariado. Se enquanto cidadão todos tem o direito de votar e ser votado, todos devem ter o mesmo direito à propaganda. Existindo direitos iguais para os candidatos, proibir a colagem e pichação em muros seria justíssimo. Com certeza as cidades seriam mais limpas no período eleitoral. Mas a mídia pertence a grupos que possuem interesses e daí não oferecem espaço para aqueles que têm idéias contrárias às suas.



Conseqüências da poluição visual:

1 – Acidentes de trânsito;

2 – Estresse;

3 – Cidades sujas e feias;

4 – Frustração e depressão temporária em alguns, podendo se transformar em problema mais grave.


O que fazer:

1 – Denunciar a pichação e valorizar o que for arte, orientando jovens, a saber, como e onde grafitar;

2 – Denunciar propagandas em cartazes e outdoors que de qualquer forma incentive violência, prostituição ou contenha termos que agridam o transeunte;

3 – Outdoors que cobrem boas paisagens ou partes turísticas da sua cidade devem ser trocados de lugar. Unir a população e cobrar essa mudança dá resultados (aliás, quando se é perseverante, tudo dá certo);

4 – Exigir a coleta regular do lixo pelos órgãos municipais competentes;

5 – Procurar compreender melhor a propaganda política e cobrar dos candidatos uma cidade limpa.

4 comentários:

Anônimo at: 4 de setembro de 2008 06:14 disse...

Parabéns pelo trabalho! É o resultado de tanta dedicação e esforço.Adorei!

"Quem avança confiante em busca de seus objetivos encontra o sucesso nas horas mais inesperadas."

beijos, amo todos vocês.

Prô Maria

14 at: 4 de setembro de 2008 12:59 disse...

Essa materia foi a Mais lok....
Adorei

Anônimo at: 8 de setembro de 2008 12:48 disse...

Esse é um tema muito interessante que envolve à todos nós... E assim com essas informações podemos praticar para melhorar aonde moramos.

Anônimo at: 8 de setembro de 2008 12:49 disse...

Está muito bem feito esse trabalho .. estou gostando muito de trabalhar nesse trabalho .. fala de tudo cada dia das megacidades .. cada dia tem uma novidade.. videos falando.. aprendemos muito ! ´[e tenho certeza se todos colabora-se , todos vamos tirar um 10 nao so na nota de escola , mais na nota do mundo ...

.. Bruna 9°B